Facebook
Instagram

O Fetiche do objeto antigo

Como o próprio título infere, o objeto antigo possui um fetiche. Este artigo discursa sobre este conceito relacionando-o à Freud e suas indicações sobre a regressão ao seio maternal. Fala também dos arranjos das mobílias nos espaços contemporâneos e como interpretá-los, mostrando sua função utilitária e simbólica.

Abstratct.

Sobre a ambiência contemporânea. Significado dos objetos antigos e modernos na configuração espacial residencial. Reflexões sobre o arranjo do mobiliário contemporâneo.

Folheando revistas de arquitetura e decoração, pode-se observar como se configura o mobiliário atual. A leitura que fazemos desta conformação, inclusive espacial, nos fornecerá a imagem das estruturas familiares e sociais de nossos dias. Percebe-se que na sua grande maioria, os espaços contemporâneos ainda permanecem separados e unifuncionais tendendo a uma utilização específica das diversas funções familiares. O espaço para cozinhar, para comer, para receber visitas, para dormir, para a higiene. Estes tendem a ser bastante preenchidos e em muitos casos vê-se a acumulação barroca com tinturas museológicas. Entretanto, percebe-se o recente surgimento de novas estruturas espaciais abertas e mudança nas relações do indivíduo com a família e sociedade. São chamados espaços multifuncionais – Lofts.

‍Espaços multifuncionais contemporâneos | Lofts

Os móveis e objetos decorativos se olham e estabelecem um diálogo, muitas vezes mais simbólico do que funcional. Esta estrutura tende a organizar-se em relação à um eixo simétrico, hierárquico, de tradição e ordem, refletindo, igualmente, aspectos afetivos da família.

Espaço de sala de jantar tradicional com cadeiras Luis XVI, animais empalhados, cariátides, candelabro de cristal italiano do século XVIII e outros adornos de diferentes épocas e estilos.
Ambiente com arranjo espacial “barroco” totalmente preenchido | Mobiliário e Objetos. / Ambiente contemporâneo com cama com dossel antigo ladeada por espelhos e acessórios asiáticos.

Ainda há espaço para buffets, armoires, vitrines, camas com dossel, grandes mesas de jantar, espelhos gigantes e imensos candelabros de cristal, entre outras peças. A organização patriarcal burguesa está presente, toda estruturada e fechada em si. Como cita Baudrillard: “domesticam-se as culturas dos objetos técnicos por meio dos objetos antigos”.

Aos objetos domésticos da contemporaneidade, intercalam-se os objetos antigos que podem ser de diferentes épocas e estilos, trazidos por herança ou gosto e reflexo do desejo de permanência e imortalidade, senão pela procura de status e do apelo aristocrático. Livros raros antigos ao lado de aparelhos de som altamente tecnológicos, cabeças de bichos empalhados ao lado de aparelhos de ar condicionado e por aí seguimos.

Ambiente e quadro contemporâneos com aparador estilo Palladiano. / Ambiente clássico renovado com candelabro de cristal antigo e cadeiras modernas (Design Paul Goldman)
Ambiente e acessórios contemporâneos com sofá Luis XV. / Ambiente contemporâneo estilo neo-clássico com acessórios modernos e poltrona Luis XVI.
Armoir francês, cerca de 1800 com cadeira Luis XV e candelabro de cristal. Reflexo no espelho da cama Luis XV.

Detalhando mais esta afirmação, podemos dizer que o objeto antigo possui uma história. Ele não deixa de ser decorativo nem funcional mas sua maior função é o que ele significa: o tempo. Ele existe na ambiência como signo de nascimento e origem. Busca-se nele o conforto emocional e a certeza da continuidade de nossa existência. Ele seria o equivalente ao confort food.

Baudrillard explora bem este assunto e coloca uma questão fundamental: de onde surge esta necessidade da posse de algo antigo, seja ele um velho móvel de família, um objeto “autêntico” artesanal? Parece que a resposta encontra-se na necessidade de aculturação, seja por parte dos povos desenvolvidos em busca de signos do passado e fora do seu sistema cultural, seja por parte dos povos subdesenvolvidos à procura da atualidade da industrialização e da tecnologia. Tudo resume-se a Cronos - o fascínio pela busca do tempo perdido.

Par de poltronas clássicas Luis XV.

O objeto antigo é auto referente e portanto “autêntico”. Ele permaneceu no tempo. Ele é a prova de sua própria existência, em contraposição ao objeto moderno que existe somente no tempo presente, não tendo ainda adquirido seu status sígnico de mito. O objeto moderno é funcional, prático eficiente ou tecnológico, mas isto não garante a sua existência nos “retratos de família”.

‍ORIC - Poltrona Motivacional Inspirada por Plyhedron Origami | Design: Yugi Fujimura.

Um ambiente ascético, clean, do tipo monástico, pode ser bonito numa foto mas quando o vivenciamos no dia a dia torna-se árido, descartando memórias e afetos.

Ambiente minimalista contemporâneo | Casa Toshiro | Arq. Tadao Ando. / Ambiente minimalista contemporâneo | Casa White Cave (Caverna Branca) I Arq. Kazanawa Takuro.

 Como diz a famosa frase “Freud explica”, o desejo de posse de um objeto antigo relaciona-se igualmente ao colecionismo que por sua vez afilia-se à regressão narcisista. Impõem-se uma necessidade de conhecimento das origens, de ter tido um pai e uma mãe. Esta regressão para as raízes simboliza a volta ao seio materno.

Quanto à autenticidade, ela está ligada ao amor por aquilo que foi criado com a mão, pela singularidade da peça, pela origem da obra, com nome, data e assinatura. O objeto autêntico congela o ato criativo em si próprio e pertence não somente ao autor como ao seu possuidor/fruidor.

Escultura de mármore de mulher - cerca de 120 -140 CE. Provavelmente de Kenchreai | Museus Arqueológico de Coríntia Antiga, Grécia.

O fetiche do objeto antigo é ter atributos mágicos ou simbólicos mas somente para quem o possui. É um discurso subjetivo, feito para si próprio, onde se manifesta a angústia pela volta à infância, às origens ou ao útero.

‍Retrato francês antigo.

Créditos

Autora: Suzana Mara Sacchi Padovano

Data: 6/3/2015

Fotos: Pinterest.com

Bibliografia

BAUDRILLARD, Jean. Le système des objets. France: Edition Gallimard, 1968

MOLES, Abraham. Teoria de los objetos. Barcelona: Gustavo Gilli, 1989.

COELH0 NETO, José Teixeira. Por uma Teoria da Informação Estética. São Paulo: Monitor, 1973.

 Nota do autor

Alguns autores não consideram a palavra estilo apropriada para uso na descrição dos modelos arquitetônicos.

Ver todas as postagens
Booking.com

veja também!

MMEB ARQUITETOS EM PORTO ALEGRE

MMEB arquitetos participará com duas obras, em Exposição de Arquitetura Contemporânea que acontecerá no 21º Congresso Brasileiro de Arquitetura em Porto Alegre... (saiba mais)

PUBLICAÇÃO I E-ARCHITECTS (REINO UNIDO)

O e-architect (Reino Unido) selecionou recentemente os principais exemplos de arquitetura contemporânea do Brasil. Entre as obras selecionadas duas são do nosso escritório de arquitetura MMEB arquitetos ... (saiba mais)

MENÇÃO I C:A.A (RÚSSIA)

A CASA GB, projetada pelo MMEB arquitetos, foi escolhida como referência de arquitetura contemporânea brasileira pelo C: CA - Centro de Arquitetura Contemporânea (Rússia)... (saiba mais)

CONTATO




Telefone: (65) 99219 4444+55 65 99219 4444
E-mail: arqface.contato@gmail.comarqface.contato@gmail.com



Brasil

Desenvolvido por MMEB arquitetos

O Fetiche do objeto antigo

Como o próprio título infere, o objeto antigo possui um fetiche. Este artigo discursa sobre este conceito relacionando-o à Freud e suas indicações sobre a regressão ao seio maternal. Fala também dos arranjos das mobílias nos espaços contemporâneos e como interpretá-los, mostrando sua função utilitária e simbólica.

Abstratct.

Sobre a ambiência contemporânea. Significado dos objetos antigos e modernos na configuração espacial residencial. Reflexões sobre o arranjo do mobiliário contemporâneo.

Folheando revistas de arquitetura e decoração, pode-se observar como se configura o mobiliário atual. A leitura que fazemos desta conformação, inclusive espacial, nos fornecerá a imagem das estruturas familiares e sociais de nossos dias. Percebe-se que na sua grande maioria, os espaços contemporâneos ainda permanecem separados e unifuncionais tendendo a uma utilização específica das diversas funções familiares. O espaço para cozinhar, para comer, para receber visitas, para dormir, para a higiene. Estes tendem a ser bastante preenchidos e em muitos casos vê-se a acumulação barroca com tinturas museológicas. Entretanto, percebe-se o recente surgimento de novas estruturas espaciais abertas e mudança nas relações do indivíduo com a família e sociedade. São chamados espaços multifuncionais – Lofts.

‍Espaços multifuncionais contemporâneos | Lofts

Os móveis e objetos decorativos se olham e estabelecem um diálogo, muitas vezes mais simbólico do que funcional. Esta estrutura tende a organizar-se em relação à um eixo simétrico, hierárquico, de tradição e ordem, refletindo, igualmente, aspectos afetivos da família.

Espaço de sala de jantar tradicional com cadeiras Luis XVI, animais empalhados, cariátides, candelabro de cristal italiano do século XVIII e outros adornos de diferentes épocas e estilos.
Ambiente com arranjo espacial “barroco” totalmente preenchido | Mobiliário e Objetos. / Ambiente contemporâneo com cama com dossel antigo ladeada por espelhos e acessórios asiáticos.

Ainda há espaço para buffets, armoires, vitrines, camas com dossel, grandes mesas de jantar, espelhos gigantes e imensos candelabros de cristal, entre outras peças. A organização patriarcal burguesa está presente, toda estruturada e fechada em si. Como cita Baudrillard: “domesticam-se as culturas dos objetos técnicos por meio dos objetos antigos”.

Aos objetos domésticos da contemporaneidade, intercalam-se os objetos antigos que podem ser de diferentes épocas e estilos, trazidos por herança ou gosto e reflexo do desejo de permanência e imortalidade, senão pela procura de status e do apelo aristocrático. Livros raros antigos ao lado de aparelhos de som altamente tecnológicos, cabeças de bichos empalhados ao lado de aparelhos de ar condicionado e por aí seguimos.

Ambiente e quadro contemporâneos com aparador estilo Palladiano. / Ambiente clássico renovado com candelabro de cristal antigo e cadeiras modernas (Design Paul Goldman)
Ambiente e acessórios contemporâneos com sofá Luis XV. / Ambiente contemporâneo estilo neo-clássico com acessórios modernos e poltrona Luis XVI.
Armoir francês, cerca de 1800 com cadeira Luis XV e candelabro de cristal. Reflexo no espelho da cama Luis XV.

Detalhando mais esta afirmação, podemos dizer que o objeto antigo possui uma história. Ele não deixa de ser decorativo nem funcional mas sua maior função é o que ele significa: o tempo. Ele existe na ambiência como signo de nascimento e origem. Busca-se nele o conforto emocional e a certeza da continuidade de nossa existência. Ele seria o equivalente ao confort food.

Baudrillard explora bem este assunto e coloca uma questão fundamental: de onde surge esta necessidade da posse de algo antigo, seja ele um velho móvel de família, um objeto “autêntico” artesanal? Parece que a resposta encontra-se na necessidade de aculturação, seja por parte dos povos desenvolvidos em busca de signos do passado e fora do seu sistema cultural, seja por parte dos povos subdesenvolvidos à procura da atualidade da industrialização e da tecnologia. Tudo resume-se a Cronos - o fascínio pela busca do tempo perdido.

Par de poltronas clássicas Luis XV.

O objeto antigo é auto referente e portanto “autêntico”. Ele permaneceu no tempo. Ele é a prova de sua própria existência, em contraposição ao objeto moderno que existe somente no tempo presente, não tendo ainda adquirido seu status sígnico de mito. O objeto moderno é funcional, prático eficiente ou tecnológico, mas isto não garante a sua existência nos “retratos de família”.

‍ORIC - Poltrona Motivacional Inspirada por Plyhedron Origami | Design: Yugi Fujimura.

Um ambiente ascético, clean, do tipo monástico, pode ser bonito numa foto mas quando o vivenciamos no dia a dia torna-se árido, descartando memórias e afetos.

Ambiente minimalista contemporâneo | Casa Toshiro | Arq. Tadao Ando. / Ambiente minimalista contemporâneo | Casa White Cave (Caverna Branca) I Arq. Kazanawa Takuro.

 Como diz a famosa frase “Freud explica”, o desejo de posse de um objeto antigo relaciona-se igualmente ao colecionismo que por sua vez afilia-se à regressão narcisista. Impõem-se uma necessidade de conhecimento das origens, de ter tido um pai e uma mãe. Esta regressão para as raízes simboliza a volta ao seio materno.

Quanto à autenticidade, ela está ligada ao amor por aquilo que foi criado com a mão, pela singularidade da peça, pela origem da obra, com nome, data e assinatura. O objeto autêntico congela o ato criativo em si próprio e pertence não somente ao autor como ao seu possuidor/fruidor.

Escultura de mármore de mulher - cerca de 120 -140 CE. Provavelmente de Kenchreai | Museus Arqueológico de Coríntia Antiga, Grécia.

O fetiche do objeto antigo é ter atributos mágicos ou simbólicos mas somente para quem o possui. É um discurso subjetivo, feito para si próprio, onde se manifesta a angústia pela volta à infância, às origens ou ao útero.

‍Retrato francês antigo.

Créditos

Autora: Suzana Mara Sacchi Padovano

Data: 6/3/2015

Fotos: Pinterest.com

Bibliografia

BAUDRILLARD, Jean. Le système des objets. France: Edition Gallimard, 1968

MOLES, Abraham. Teoria de los objetos. Barcelona: Gustavo Gilli, 1989.

COELH0 NETO, José Teixeira. Por uma Teoria da Informação Estética. São Paulo: Monitor, 1973.

 Nota do autor

Alguns autores não consideram a palavra estilo apropriada para uso na descrição dos modelos arquitetônicos.

Clique para ver todas as postagens

veja também!

MMEB ARQUITETOS EM PORTO ALEGRE

MMEB arquitetos participará com duas obras, em Exposição de Arquitetura Contemporânea que acontecerá no 21º Congresso Brasileiro de Arquitetura em Porto Alegre... (saiba mais)

PUBLICAÇÃO I E-ARCHITECTS (REINO UNIDO)

O e-architect (Reino Unido) selecionou recentemente os principais exemplos de arquitetura contemporânea do Brasil. Entre as obras selecionadas duas são do nosso escritório de arquitetura MMEB arquitetos ... (saiba mais)

MENÇÃO I C:A.A (RÚSSIA)

A CASA GB, projetada pelo MMEB arquitetos, foi escolhida como referência de arquitetura contemporânea brasileira pelo C: CA - Centro de Arquitetura Contemporânea (Rússia)... (saiba mais)

CONTATO

Telefone: +55 65 99219 4444
E-mail: arqface.contato@gmail.com

Brasil

Facebook
Instagram
MMEB arquitetos
MMEB arquitetos